Este Blog pretende ser também um traço de união entre quem sente, interpreta e decide o Ambiente e a Qualidade de Vida.
Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2005

mapa_portugal.gif

Portugal é um país cada vez mais «litoralizado». A maior parte da sua (escassíssima) actividade industrial, terciária, científica, tecnológica e empresarial desenrola-se no litoral ocidental. Portugal é um país «territorialmente desequilibrado», dizem insistentemente os ambientalistas profissionais.

Mas o Desenvolvimento, o Crescimento e o Investimento exigem políticas e estratégias de Selectividade Territorial. É impossível e impensável distribuir homogeneamente, por todo o território nacional, infra-estruturas, equipamentos, serviços, empresas, iniciativas… O Orçamento do Estado português e os Fundos da União Europeia não podem ser «espalhados» pelo território nacional.

O território não tem sempre a mesma capacidade de suporte de actividades humanas. Há territórios mais e menos favoráveis à presença humana. Por isso mesmo, a maior parte da Humanidade vive nas zonas litorais e nas margens dos grandes rios. Por isso mesmo, praticamente não há vida humana nas areias dos escaldantes desertos e no gelo insuportável das calotes polares…

Esta reflexão aparentemente incorrecta serve para defender uma Rede Urbana racionalmente organizada e polarizada. Mas serve, também, para afirmar que a «desertificação humana» de inúmeras zonas de Portugal é inevitável. Não podemos, nem devemos, travar a morte lenta ou acelerada de milhares de aldeias isoladas e atrasadas… Não devemos «prender» os portugueses a vastos territórios desprovidos de quase todos os sinais exteriores da civilização ocidental.

Curiosamente, muitos «ambientalistas» bem-pensantes e bem-falantes das últimas décadas vivem confortavelmente instalados nas avenidas cosmopolitas e elegantes das regiões urbano-metropolitanas, enquanto defendem dogmaticamente a colonização humana dos territórios mais inóspitos e isolados do interior de Portugal…. Obviamente, esta deverá ser concretizada por outros…

Qualquer política socialmente sustentável deve, pois, defender a Qualidade de Vida e o Bem-Estar para Todos. Nesta perspectiva, o Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território (PNPOT) que vier a ser aprovado deverá ter em conta este imperativo social. Em suma, o modelo de Desenvolvimento, de Crescimento e de Investimento de Portugal não poderá deixar de apostar numa estratégia aparentemente «desequilibrada» de Selectividade Territorial.

Pedro Franco
publicado por saqv_ps às 11:36


mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
20
22
23
24

25
27
31


Últ. comentários
pelo visto o plano do governo nao deu certo..
"Se as contas forem feitas de acordo com toda a ág...
Sinceramente estava mais que na altura... já a his...
Como é que é possível a média em Portugal ser de 1...
é isso ai, Alan, vc já expressou mto bem as palavr...
Parabéns á Sofia Guedes Vaz, pelo belo projeto des...
hf4YJU <a href=\"http://ukuhehkemvit.com/...
Está na hora do PS se ir embora
"As empresas de construção têm à sua disposição um...
Realmente, como é que jornalistas e quercus fazem ...
subscrever feeds