Este Blog pretende ser também um traço de união entre quem sente, interpreta e decide o Ambiente e a Qualidade de Vida.
Terça-feira, 30 de Maio de 2006

Sky55_120.jpgAIG – seguradora norte-americana - adopta a primeira política na mudança global do clima

Na semana de 15 1 19 de Maio a American International Group Inc. foi a primeira das principais seguradoras dos E.U. a adoptar uma política para a mudança do clima, argumentando que tal política desenvolveria projectos para manter os gases com efeito de estufa, (gee,) fora da atmosfera.

O anúncio não usa o termo, controverso nos EUA, de “aquecimento global,” mas a AIG, talvez o maior grupo segurador do mundo, afirmou existir consenso científico sobre o facto das “actividades humanas” serem a causa provável do aumento significativo dos gee na atmosfera.

A AIG anunciou esta nova política no seu website. Sem nenhuma publicidade, reconhece os efeitos prejudiciais dos gee, incluindo as emissões auto, poluentes industriais e outros gases, que ao prenderem o calor dentro da atmosfera terrestre provocam a subida da sua temperatura e da água.

Uma água mais quente, por sua vez, origina o tipo de furacões que têm devastado a costa do golfo dos E.U., com tempestades de violência máxima em 2005, causadoras de prejuizos acima de 80 mil milhões de euros.

“Este é um passo importante que dá sinais aos fabricantes, ao mercado e aos políticos, que as alterações climáticas são um tema crítico” afirmou Mindy Lubber, presidente de Ceres, uma associação nacional de investidores e de grupos ambientalistas.

A declaração da AIG aconteceu dias antes de uma reunião anual da empresa, no pressuposto de que os accionistas provavelmente iriam levantar a questão.

A AIG, uma das principais seguradoras das vítimas deste tipo de cataclismo no mundo, informou abordar o problema da mudança do clima através “de soluções baseadas no mercado”, e como estratégia de investimento que combina o valor financeiro com a redução de gee.

Um estudo de 2005 efectuado pelo grupo Ceres mostrou um aumento de 15 vezes o valor em perdas das companhias, devido aos acontecimentos climáticos catastróficos, nos últimos três anos.

A AIG teve 1,5 mil milhões de euros em perdas provocadas pelos furacões em 2005 e 2006 e, prevêem-se, novas devastações para 2007.
publicado por saqv_ps às 02:52


mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12
13

14
15
17
19
20

21
22
24
26
27

28
29
31


Últ. comentários
pelo visto o plano do governo nao deu certo..
"Se as contas forem feitas de acordo com toda a ág...
Sinceramente estava mais que na altura... já a his...
Como é que é possível a média em Portugal ser de 1...
é isso ai, Alan, vc já expressou mto bem as palavr...
Parabéns á Sofia Guedes Vaz, pelo belo projeto des...
hf4YJU <a href=\"http://ukuhehkemvit.com/...
Está na hora do PS se ir embora
"As empresas de construção têm à sua disposição um...
Realmente, como é que jornalistas e quercus fazem ...
subscrever feeds