Este Blog pretende ser também um traço de união entre quem sente, interpreta e decide o Ambiente e a Qualidade de Vida.
Segunda-feira, 04 de Junho de 2007

bandeiras_G8.jpgO comissário europeu para o Ambiente, Stavros Dimas, condenou a "proposta alternativa", lançada na quinta-feira pelos Estados Unidos para combater o aquecimento global. "A declaração do Presidente Bush reitera basicamente a linha clássica dos EUA nas alterações climáticas não inclui reduções obrigatórias, ou o comércio de carbono e limita-se a exprimir objectivos vagos", disse a porta-voz do comissário. "A abordagem dos EUA já provou ser ineficaz", acrescentou.

A proposta norte-americana surge a poucos dias da cimeira do G8, em Heiligendamm, na Alemanha. No topo da agenda do encontro dos países mais industrializados está uma proposta da Alemanha com objectivos concretos, incluindo a quebra em 50 por cento das emissões dos gases com efeitos de estufa até 2050, tendo por referência o nível das emissões em 1990.

Os Estados Unidos, que não assinaram o protocolo de Quioto, em 1997, corriam o risco de ficar isolados na conferência do G8. A proposta de Bush, relativa ao período posterior ao abrangido por aquele protocolo, que expira em 2012, não propõe metas, mas apela a um acordo, em 2008, entre os 15 países mais poluidores do planeta, incluindo a Índia e a China.

Em matéria de procedimentos, o foco de Bush está na inovação tecnológica e não num sistema de redução coerciva de emissões, acompanhadas por sanções.

Apesar de não terem estado até agora empenhados no combate à mudança do clima, os norte-americanos querem liderar o processo, assumindo o lugar das Nações Unidas, que este ano organizam, em Bali, uma nova conferência sobre a questão do clima.

A proposta dos EUA foi criticada por organizações ecologistas e na imprensa europeia como uma forma de torpedear a proposta de Merkel ao G8. A chanceler alemã entende que a adopção de medidas concretas na cimeira que decorrerá entre os dias 6 e 8 é vital para o sucesso de Bali.

Mas a chanceler foi moderada na reacção. "O discurso do Presidente dos EUA deixa claro que ninguém pode alhear-se mais da questão do aquecimento global", disse Merkel. Tony Blair e o presidente da Comissão, Durão Barroso, pronunciaram-se no mesmo sentido. O comissário europeu para a Energia, Andreis Piebalgs, também aplaudiu
o plano.

Mas a prudência de Merkel não encontra eco no ministro do Ambiente germânico. Sigmar Gabriel: "[O plano dos EUA] não pode ser um cavalo de Tróia que passe por cima de Heiligendamm e torpedeie o processo internacional de protecção do clima." O negociador principal alemão para as questões do clima, na cimeira, Bernd Pfaffenbach, disse que enfraquecer o papel da ONU é "uma linha vermelha que Merkel não atravessará".

in Ecoesfera
publicado por saqv_ps às 08:57


mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30


Últ. comentários
pelo visto o plano do governo nao deu certo..
"Se as contas forem feitas de acordo com toda a ág...
Sinceramente estava mais que na altura... já a his...
Como é que é possível a média em Portugal ser de 1...
é isso ai, Alan, vc já expressou mto bem as palavr...
Parabéns á Sofia Guedes Vaz, pelo belo projeto des...
hf4YJU <a href=\"http://ukuhehkemvit.com/...
Está na hora do PS se ir embora
"As empresas de construção têm à sua disposição um...
Realmente, como é que jornalistas e quercus fazem ...
subscrever feeds