Este Blog pretende ser também um traço de união entre quem sente, interpreta e decide o Ambiente e a Qualidade de Vida.
Quinta-feira, 20 de Março de 2008

aammbbi.bmpAs soluções para os maiores problemas ambientais do planeta são “acessíveis, alcançáveis e economicamente suportáveis” quando comparadas com as perspectivas de crescimento económico e o custo das consequências da inacção, revelou a OCDE (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico) no lançamento do seu “Environmental Outlook” 2008, em Oslo.

O relatório - que combina as projecções económicas e ambientais para as próximas décadas e simula políticas para solucionar desafios - elegeu como os problemas mais urgentes as alterações climáticas, perda da biodiversidade, falta de água e impacto da poluição na saúde.

Sem intervenção, em 2030, as emissões mundiais de gases com efeito de estufa (GEE, sigla em inglês) terão aumentado 37 por cento e em 2050, 52 por cento.

Para responder às necessidades de alimentação e biocombustíveis, o mundo precisa aumentar a área agrícola em dez por cento até 2030.

Outra das conclusões da OCDE é que, em 2030, mais mil milhões de pessoas viverão em zonas com graves problemas de falta de água. As mortes prematuras causadas pelo ozono à superfície vão quadruplicar.

Perante estes cenários, “os países precisam alterar a estrutura das suas economias, no sentido de um futuro com menos emissões de carbono, um futuro mais verde e mais sustentável”, comentou o secretário-geral da OCDE, Angel Gurria.

“Os custos desta mudança são suportáveis economicamente”, mas não se deve perder de vista a necessidade de “aproveitar as novas oportunidades”, acrescentou.

Segundo o relatório, o PIB mundial vai quase duplicar até 2030. Segundo as simulações da OCDE, custaria apenas um por cento desse crescimento a implementação de políticas que podem reduzir um terço a poluição do ar e conter as emissões de GEE em 12 por cento, em vez do crescimento de 37 por cento previsto se nada for feito.

A OCDE recomenda um “mix” de políticas como as taxas ambientais, a internalização dos custos ambientais, comércio de emissões, aplicação do princípio do poluidor-pagador e o fim de subsídios a actividades que prejudiquem o Ambiente.

É importante ainda o investimento em investigação e a rotulagem ecológica.

Quanto à partilha dos custos, a OCDE diz que os países desenvolvidos e as economias emergentes devem dividir responsabilidades na questão das emissões de GEE. Tanto mais que, em 2030, as emissões de quatro países - Brasil, Rússia, Índia e China - vão exceder as emissões dos 30 países membros da OCDE. “A justa partilha dos custos será tão importante como o progresso tecnológico e a escolha dos instrumentos políticos”, escreve a organização.

“O custo global da acção será muito menor se todos os países trabalharem em conjunto”, comentou Gurría.

O relatório “combina a esperança para o futuro com um apelo actual e urgente à acção. Dá uma orientação importante para os decisores políticos e integra as análises económica e ambiental”, comentou o primeiro-ministro norueguês, Jens Stoltenberg, anfitrião da cerimónia mundial de lançamento.

PÚBLICO
publicado por saqv_ps às 03:15


mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
14
15

16
18
19
21
22

23
25
26
28
29

30


Últ. comentários
pelo visto o plano do governo nao deu certo..
"Se as contas forem feitas de acordo com toda a ág...
Sinceramente estava mais que na altura... já a his...
Como é que é possível a média em Portugal ser de 1...
é isso ai, Alan, vc já expressou mto bem as palavr...
Parabéns á Sofia Guedes Vaz, pelo belo projeto des...
hf4YJU <a href=\"http://ukuhehkemvit.com/...
Está na hora do PS se ir embora
"As empresas de construção têm à sua disposição um...
Realmente, como é que jornalistas e quercus fazem ...
subscrever feeds