Este Blog pretende ser também um traço de união entre quem sente, interpreta e decide o Ambiente e a Qualidade de Vida.
Segunda-feira, 21 de Julho de 2008

sustentabilidade.jpgA primeira central de compostagem do Alentejo, em construção na zona de Portalegre e que pretende transformar resíduos biodegradáveis em adubos orgânicos, avança em Agosto com os primeiros testes tecnológicos, revelou hoje a empresa promotora.

O administrador-delegado da empresa multimunicipal Valnor - Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos, Pinto Rodrigues, adiantou que o investimento na central prevê a criação de 55 postos de trabalho.

"Os testes tecnológicos estavam previstos para este mês, mas como os primeiros funcionários (cerca de 40) vão iniciar a formação no início de Agosto, decidimos verificar o equipamento nessa altura e iniciar todo o processo", explicou.

"Em Setembro, teremos esta unidade a trabalhar em velocidade cruzeiro", previu o administrador-delegado da Valnor.

Segundo Pinto Rodrigues, o projecto prevê ainda, numa fase posterior, acções de formação para o ingresso de mais 15 trabalhadores na central. "Em Março de 2009, vamos ter a trabalhar mais 10 a 15 pessoas neste projecto", disse.

Com um investimento de 18 milhões de euros e uma comparticipação de 40 por cento de fundos da União Europeia, a central está localizada junto ao aterro sanitário da Valnor, numa área que abrange os concelhos de Avis e Fronteira, no distrito de Portalegre.

Este centro de valorização orgânica pretende transformar os resíduos biodegradáveis, como restos de comida, relvas e cortes de árvores, em adubos naturais.

Para a empresa responsável pela gestão, valorização e tratamento dos lixos produzidos nos 15 municípios de Portalegre, assim como nos de Mação, Sardoal e Abrantes (Santarém) e Vila de Rei (Castelo Branco), a central assume especial importância.

A fábrica é "essencial para o cumprimento das metas europeias no que respeita aos lixos", assegurou Pinto Rodrigues, estimando que a unidade capte "cerca de 60 por cento" dos resíduos orgânicos daqueles 19 municípios que, actualmente, são depositados em aterro.

"Entram no aterro 60 mil toneladas anuais de resíduos, que são enterradas controladamente, Com o centro de valorização orgânica, vamos conseguir tratar 35 mil toneladas, passando a enterrar apenas 25 mil", disse.

Os materiais biodegradáveis encaminhados para a central de compostagem serão transformados, através de um processo mecânico e biológico, em adubos orgânicos, isentos de químicos.

"Poderemos produzir adubo natural para utilizar na agricultura biológica ou nos jardins e plantas", sublinhou, acrescentando que a Valnor pretende criar uma "imagem de marca" para comercializar esse mesmo produto.

As estimativas da empresa apontam para uma produção de cerca de mil toneladas por ano de adubo normal, destinado ao consumidor doméstico que, após certificação do produto, o poderá comprar, embalado, em supermercados da região.

Já o adubo para a agricultura, a produção deve cifrar-se nas dez mil toneladas, numa primeira fase, pretendendo a Valnor duplicá-la nos anos seguintes.

Com a diminuição da quantidade de resíduos orgânicos depositados, a produção de biogás e de águas contaminantes no aterro "também são reduzidas", com impactes positivos na emissão de gases com efeito de estufa.

A Empresa Geral de Fomento, detida pela Águas de Portugal, é a principal accionista da Valnor, com 51 por cento do capital, cabendo aos 19 municípios os restantes 49 por cento.

Lusa
publicado por saqv_ps às 08:28


mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
29
30
31


Últ. comentários
pelo visto o plano do governo nao deu certo..
"Se as contas forem feitas de acordo com toda a ág...
Sinceramente estava mais que na altura... já a his...
Como é que é possível a média em Portugal ser de 1...
é isso ai, Alan, vc já expressou mto bem as palavr...
Parabéns á Sofia Guedes Vaz, pelo belo projeto des...
hf4YJU <a href=\"http://ukuhehkemvit.com/...
Está na hora do PS se ir embora
"As empresas de construção têm à sua disposição um...
Realmente, como é que jornalistas e quercus fazem ...
subscrever feeds