Este Blog pretende ser também um traço de união entre quem sente, interpreta e decide o Ambiente e a Qualidade de Vida.
Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2006

eagle.jpgAPI assina com a AGNI e EGF investimento de 60 milhões de euros em energia renovável

A Agência Portuguesa para o Investimento (API) vai assinar hoje (20Jan) com a empresa malaia AGNI um memorando de entendimento para um investimento de 60 milhões de euros na construção de uma unidade fabril de produção de pilhas de combustível e outros equipamentos de tecnologias a hidrogénio.

O projecto contempla ainda um centro de excelência em investigação e desenvolvimento, no concelho de Montemor-o-novo, apurou o Diário Económico junto de fonte do Ministério da Economia. Simultaneamente, será assinado outro memorando entre a AGNI e a Empresa Geral de Fomento (EGF), a 'sub-holding' da Águas de Portugal para os resíduos sólidos urbanos, com vista ao estabelecimento de uma parceria entre ambas para o desenvolvimento do projecto.

Os termos do envolvimento da EGF neste investimento serão estabelecidos ao longo do mês de Fevereiro, mas deverá passar pela participação financeira da empresa portuguesa que, no limite, poderá suportar metade do montante estimado.

Segundo o estabelecido entre as partes, a AGNI prevê iniciar os trabalho durante o primeiro semestre deste ano. A empresa acredita que esta unidade potenciará a criação de 200 postos de trabalho, dos quais 55 altamente qualificados, no centro de investigação. De acordo com as intenções estabelecidas no acordo com a API, a AGNI propõe-se utilizar Portugal como a plataforma de expansão para o continente europeu, prevendo que 80% da sua produção se destina à exportação.

Estes equipamentos visam o aproveitamento energético dos gases emitidos pelos resíduos depositados nos aterros sanitários, em Portugal, da responsabilidade da EGF. Apesar da sub-holding da Águas de Portugal não se ter pronunciado, o DE apurou que o primeiro aterro a receber esta nova tecnologia poderá pertencer à Valorsul. Nos últimos meses, a EGF adquiriu um conjunto de equipamentos, os biodigestores, que serão agora completados com as pilhas a hidrogénio para a produção de energia eléctrica. Recorde-se que esta é uma das apostas desta 'sub-holding' da Águas de Portugal. A empresa já tinha anunciado que pretendia investir nos próximos sete anos, cerca de 30 milhões de euros na área do biogás, eólica, fotovoltaica e solar térmico a instalar nos aterros sanitários. A cerimónia a realizar hoje no INETI e conta com a presença do primeiro-ministro, José Sócrates, com o ministro da Economia, Manuel Pinho e com o Ministro do Ambiente, Francisco Nunes Correia.


Por: Rui Cabrita, Ana Maria Gonçalves e Hermínia Saraiva
Diário Económico
publicado por saqv_ps às 11:09


mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13
14

15
16
18
19
20
21

22
24
28

29
30


Últ. comentários
pelo visto o plano do governo nao deu certo..
"Se as contas forem feitas de acordo com toda a ág...
Sinceramente estava mais que na altura... já a his...
Como é que é possível a média em Portugal ser de 1...
é isso ai, Alan, vc já expressou mto bem as palavr...
Parabéns á Sofia Guedes Vaz, pelo belo projeto des...
hf4YJU <a href=\"http://ukuhehkemvit.com/...
Está na hora do PS se ir embora
"As empresas de construção têm à sua disposição um...
Realmente, como é que jornalistas e quercus fazem ...